31
mar

Como ter um guarda-roupa inteligente e sustentável em 9 passos

Você já parou para pensar o quanto é importante e urgente repensarmos a nossa forma de consumir? O consumo hoje equivale a 1,5 vezes o que o planeta pode oferecer. Se mantivermos este modelo de consumo até 2030 estaremos consumindo dois planetas Terra.

(Como ter um guarda-roupa inteligente e sustentável/Freepik)

Baixe o e-Book gratuito: Como desenvolver uma Imagem Pessoal de credibilidade para o seu negócio

Precisamos rever nosso comportamento de compra e de descarte (o que se desfazer e como fazer isso) para que possamos deixar um mundo melhor para o futuro. “Não podemos lidar com nossos problemas ambientais se não considerarmos consumo e crescimento populacional. São duas faces de uma mesma moeda”, disse Kumi Naidoo – diretor executivo do Greenpeace Internacional.

A indústria da moda e a sustentabilidade 

Talvez você esteja se perguntando o que isso tem a ver com imagem pessoal? Tem tudo a ver! Pois a indústria da moda e a nossa forma de consumir têm grande impacto na sustentabilidade do planeta. Veja só estes dados: para fabricar apenas uma calça jeans, são usados aproximadamente 11 mil litros de água e 17% das águas poluídas pela indústria estão contaminadas com química utilizadas no tingimento de roupas.

Diante deste cenário, quero deixar algumas dicas sobre guarda roupa sustentável e inteligente, para que você possa ter mais consciência ao decidir por novas compras de roupas, sapatos, acessórios e usar melhor o que já possui em seu armário, podendo assim contribuir para a sustentabilidade do planeta.

Evite o consumismo com atitudes inteligentes

• Separe as roupas que não usa há muito tempo e tome uma ação imediata, chega de deixar para depois, né amiga!? Separe todas que precisam de conserto e o que vale a pena consertar, o que não faz mais parte do seu estilo, não te serve ou está fora de moda doe para um bazar ou para instituições/ongs e você fará um bem enorme para o mundo! Ou ainda, se preferir, também pode vender as roupas e acessórios para brechós;

• Cuide bem das suas roupas, seja ao guardar ou lavar, siga as instruções e utilize os produtos adequados, para que elas durem por mais tempo;

• Ao avaliar uma roupa que tem intenção de comprar, avalie bem o caimento, se as costuras estão retas, a qualidade do acabamento, vire a peça do avesso;

• Quando provar a roupa, procure caminhar, sentar, levantar os braços e avaliar se está confortável para realizar os movimentos e não te incomodando;

• Verifique se a nova peça que pensa em comprar combina com, pelo menos, 3 peças diferentes que você já tem em casa;

• Procure comprar peças de cores neutras e terá mais possibilidades para criar looks para o dia a dia, incluindo um colar ou echarpe mais colorido e já irá ter opções diferenciadas;

• Invista em peças de boa qualidade e a maior porcentagem de tecidos naturais (exemplo, algodão – consulte sempre a etiqueta), pois mesmo com diversas lavagens irá manter um bom aspecto, enquanto, as roupas de menor custo, na maioria das vezes, ficam desgastadas depois de algumas lavagens. Siga sempre essa grande verdade “o barato pode sair caro”;

• Busque boa qualidade em roupas, sapatos, bolsas, cintos… não é necessário ter muitos iguais, mas, poucos que tenham uma ótima aparência e não tenha necessidade de ficar trocando/comprando. Por exemplo, uma boa bolsa preta você usa em diversas ocasiões, e sendo de boa qualidade, usará por mais tempo;

• Ao comprar uma peça nova, doe outra a alguém que precise, evite o acúmulo te itens, pois apenas dificulta para você lembrar-se do que já tem.

Aproveite estas dicas de moda com sustentabilidade para ter um guarda roupa muito mais prático e eficiente, para fazer compras conscientes e que estejam de acordo com a marca pessoal que você deseja transmitir.

Até mais! Bjs 🙂

Priscila Avelar é proprietária da Prisence Consultoria de Imagem Pessoal & Corporativa

 

Fonte:

http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Blog/entre-consumo-e-sustentabilidade/blog/48693/

Revista Sorria “Estilo enxuto”, reportagem Rafaela Carvalho, Edição 59, Jan/Fev 2018.

Tags: