18
maio

Lideranças e o desafio de reter e engajar

07:10:14

Colaboradores engajados produzem melhor e ajudam a reter os clientes, podendo torná-los advogados de sua marca.

(Liderar engaja colaboradores que engajam clientes/Freepik)

“Hoje, na forma como o mundo corporativo e o mercado de trabalho se apresentam, já não cabe na Gestão de Pessoas, aqueles ‘chefes’ que tinham como premissa um chavão muito retrógrado: ‘Manda quem pode, obedece quem tem juízo.’“

Olá empreendedora!

No último texto, você aprendeu como integrar seu novo contratado e como acolhê-lo nessa fase tão importante que é o prazo de experiência. Mas você sabia que as lideranças têm um papel fundamental na passagem desse colaborador em seu empreendimento? Sim, um papel fundamental. Independente do porte de sua empresa, você, empreendedora e suas lideranças possuem responsabilidades na retenção, na motivação e no engajamento de seus colaboradores, e o texto de hoje pretende trazer esse tema que está muito em voga; além de proporcionar uma reflexão acerca desse tema atual e necessário.

A PRÁTICA E OS ESTILOS DE LIDERANÇA

Antes de falarmos sobre liderança, é necessário compreender que as organizações demandam profissionais tomadores de decisão e responsáveis por determinados processos, os quais possuem expertise e podem ser responsáveis por um ou mais colaboradores que responderão hierarquicamente a eles.

Nos estudos sobre lideranças, iremos encontrar predominantemente 3 estilos de líderes:

1. Autocrático: nesse estilo de liderança, o foco está exclusivamente no líder, desconsiderando os subordinados em qualquer situação, influenciando a equipe de forma negativa com seu exemplo de autoritarismo;

2. Democrático: nesse tipo, as diretrizes são consideradas equilibradamente entre o líder e os subordinados. Aqui, o líder tem o papel de aconselhador, influenciando a equipe de forma positiva com seu exemplo participativo e ouvinte;

3. Liberal ou Laissez-faire: nesta natureza de liderança, o líder não participa ativamente deixando toda a situação e todas as responsabilidades nas mãos dos subordinados.

Sobre esses estilos, no Brasil temos a predominância dos estilos 1 e 2, independente do porte do empreendimento. Já o estilo 3, é comumente encontrado em corporações multinacionais de grande porte, especialmente do segmento de tecnologia, bem como de criação e design.

Para os profissionais que ocupam cargos de liderança, podemos encontrar inúmeras denominações: chefes, supervisores, gestores, coordenadores, encarregados. Enfim, uma série de denominações diferentes para um mesmo conceito – esses profissionais são líderes de equipes, ou seja, são tomadores de decisão e possuem a responsabilidade de comandar equipes de colaboradores. Nesse sentido há uma grande controvérsia, pois mesmo que esse profissional tenha um cargo de chefia, nem todos são verdadeiros líderes. Isso mesmo! Ser chefe ou supervisor não significar liderar.

MAS, O QUE É LIDERANÇA?

Se você, empreendedora, resolver pesquisar sobre esse tema, verá que há milhares de conceitos sobre liderança. Eu, particularmente, aprecio muito o conceito de uma das maiores autoridades em Gestão de Pessoas na atualidade, o pesquisador e escritor Idalberto Chiavenato, que nos faz refletir que: “Liderança é o processo de influenciar e dirigir os comportamentos das pessoas em direção ao alcance de objetivos.” Trocando em miúdos, Chiavenato quer nos dizer que, liderar é influenciar o comportamento dos colaboradores de sua equipe a fim de se alcançar os objetivos estipulados pelo departamento ou pela empresa, de modo que os conduza (dirigir) para que tais objetivos sejam alcançados. Essa reflexão possui alguns pontos muito importantes para levarmos em consideração, especialmente quando lembramos que as lideranças lidam diretamente com pessoas, e consequentemente com toda a diversidade que essa relação apresenta.

Vamos aos pontos:

Influência: De acordo com o dicionário Aurélio, influência significa ato ou efeito de influir ou influencia. É a ação que uma pessoa ou coisa exerce sobre outra, prestígio, crédito, ascendência, predomínio, poder. Esse significado explica de forma muito pertinente porque de acordo com esse conceito que apresento nesse artigo, a liderança é um processo de influenciar pessoas, pois um dos papéis dos líderes é buscar através do crédito (sentido de credibilidade) e do prestígio conquistado, fazer com que seus colaboradores exerçam suas atividades de modo que possam contribuir para o alcance dos objetivos da empresa.

Direção: De acordo com o dicionário Michaelis, direção significa o ato de dirigir, ou ainda conselho, ensino e preceitos usados para serem seguidos por alguém. Esse significado explica que o líder é alguém capaz de aconselhar, ensinar e disseminar conceitos para serem seguidos pelos seus liderados.

Alcance de objetivos: Já falamos em alguns artigos anteriores que os empreendimentos, as empresas independentemente de seu porte, possuem objetivos a serem alcançados e para que haja sejam atingidos, as empresas necessitam de seus colaboradores, cada um exercendo sua função. E, para que haja efetividade e eficácia nos resultados apresentados por esses colaboradores, é necessário que as lideranças atuem para que haja a facilitação da atuação de cada um. Para que isso seja possível, o líder deve influenciar e dirigir sua equipe, tendo em vista a obtenção dos objetivos estipulados, através do estímulo ao comportamento assertivo por meio de seu próprio exemplo de integridade e transparência.

Os três pontos citados acima são fundamentais na atuação de um líder, mas ainda há muito mais!

Não basta que a liderança conheça muito bem a técnica do trabalho e o que deve ser feito por cada um de seus colaboradores, é necessário:

 Que a liderança seja capaz de apresentar uma postura profissional a fim de promover a retenção de seus liderados e evite a alta rotatividade na empresa;

 Que respeite seu colaborador enquanto um profissional que é capaz de agregar para a equipe com seu conhecimento e sua atitude;

 Que proporcione um ambiente saudável e acolhedor, tendo em mente que todos passam a maior parte de seu dia na empresa;

 Que proporcione um ambiente de sinergia, confiança e liberdade de criação e de ideias;

 Que seja exemplo de comportamento ético para seus liderados,

 Que saiba delegar, mas que acompanhe sem interferir a toda hora e que cobre os resultados com equilíbrio;

 Que transmita coerência entre o discurso e a prática para que sustente a credibilidade e não caia em descrédito;

 Que essencialmente, haja transparência nas relações humanas dentro da empresa.

Hoje, na forma como o mundo corporativo e o mercado de trabalho se apresentam, já não cabe na Gestão de Pessoas, aqueles ‘chefes’ que tinham como premissa um chavão muito retrógrado: ‘Manda quem pode, obedece quem tem juízo.’ Quem nunca se deparou com um chefe desses na vida, não é mesmo? Todos nós encontramos em nossa trajetória profissional um chefe desses. E lhe pergunto:
Ele proporcionava um ambiente saudável? Ele era um bom exemplo de conduta e equilíbrio? Ele dava oportunidades para crescimento e troca de experiências? Ele proporcionava espaço para ideias e sugestões? Acredito que você, empreendedora, tenha respondido ‘não’ a todas as perguntas acima, não é mesmo? Então, para quê reproduzir esse tipo de perfil de ‘chefia’!
Pensando racionalmente, não é melhor proporcionar uma liderança que transmita confiança através de seus atos? Que seja capaz de influenciar e dirigir seus colaboradores de forma que se sintam valorizados enquanto profissionais e atuem em um ambiente saudável, de acolhimento e de geração de ideias?

ENGAJAMENTO COMO MISSÃO

De acordo com o dicionário Aurélio, engajar significa o ato de abraçar um ideal filosófico, social, político etc. e lutar por ele; Alinhar-se a determinada ordem de ideias ou de ação coletiva; pôr-se a serviço de uma causa; Empenhar-se, esforçar-se, lutar por.

Diante da apresentação do significado da palavra engajar, fica fácil compreender porque o líder deve ter como uma de suas principais missões, promover o engajamento dos colaboradores de sua equipe.

Empreendedora, é importante que você tenha em mente que é muito importante ter em sua empresa, colaboradores que encarem o seu empreendimento como uma verdadeira causa:

 Onde eles possam abraçar suas funções como um ideal de vida e de crescimento e aprendizado profissional;

 Para que eles possam se empenhar em suas responsabilidades, alinhados com a missão, visão e valores de sua empresa;

 Para que eles possam se esforçar para realizar suas funções da melhor maneira possível para que alcance os objetivos organizacionais;

 Que seus colaboradores não enxerguem sua empresa somente como um ‘ganha pão’, mas como um lugar onde eles possam se desenvolver e agregar conhecimento;

 Que eles se sintam valorizados para estarem à vontade para contribuir com ideias, sugestões, alternativas e inovações;

 Que eles tenham vontade de se desenvolver e crescer, que os retenha para não irem para o mercado em busca de uma nova empresa para exercerem suas responsabilidades, mas para crescer junto com seu empreendimento.

Esse é o espírito do engajamento.

Enfim, essa deve ser uma das principais missões de um líder e para isso é necessário que a liderança esteja motivada a inspirar e influenciar de forma a engajar sua equipe com seu exemplo de integridade, responsabilidade e de transparência.

Bom, por hoje é só! Encontro vocês na próxima quinzena, onde falaremos sobre autoconhecimento e autoliderança. Até lá!

Sucesso, Empreendedoras!

Você tem dúvidas sobre Liderança? Escreva nos comentários ou envie para [email protected].

Simoni Aquino é Gestora de Pessoas, Personal Career e Pedagoga Corporativa e Idealizadora do Blog Além do RH