16
jan

Meta Financeira: desafio de todo brasileiro

Aqui vamos falar sobre como sair das dívidas. Este artigo não é para criticar que o brasileiro está endividado, que falta educação financeira na escola, que os pais não educam financeiramente os filhos. Isso já sabemos e continuaremos vendo, todos os anos, em noticiários e jornais. Pois então, tem alguma coisa que podemos fazer, algo que esteja no nosso controle? Tem sim! Desejo fortemente que este conteúdo faça alguém que esteja em dívidas pensar, refletir e, principalmente, agir. As dicas e orientações a seguir têm ajudado muitas pessoas que passam por meus atendimentos e palestras.

(Imagem / Freepik)

[Ferramenta de Metas] Entre para a Ação e Alcance Seus Objetivos

Todo começo de ano bate aquela vontade de virar a mesa. Paira no ar uma motivação para definir novas metas e objetivos. Aposto que uma de suas metas é melhorar a vida financeira, quitar dívidas, começar a investir ou até mesmo empreender. Acertei? É o desejo da maioria dos brasileiros.

Toda dívida traz um ensinamento. Você sempre aprende alguma coisa com ela como ter mais paciência, talvez um pouco mais de cautela. É a vida querendo mostrar algo a você. Separei em 3 blocos para ficar bem fácil de entender e aplicar.

Principais motivos que impedem uma pessoa de sair das dívidas

Sair das dívidas é um desejo sincero?

Pois, é. Parece absurdo, mas muita gente fala que quer sair das dívidas, mas não percebe que as próprias atitudes declaram que não quer. Na roda de amigos acha engraçado comentar que está no vermelho, posta nas redes sociais que o cartão de crédito explodiu, entre outros memes.

A situação que era para ser constrangedora se tornar engraçada, gera aprovação social e o corpo vicia nessa descarga constante de adrenalina. no inconsciente fica registrado: “Estou em dívidas, mas tudo bem. Faço parte do grande time de endividados. Somos a maioria”.

Ter dívidas é algo normal da vida

Tem pessoas que já nasceram em lares endividados e que não conhecem outra realidade. Se a maioria das famílias brasileiras está com dificuldades financeiras, se não existe alguém próximo que deu uma virada, qual a chance da pessoa se animar, ainda mais sem acesso a educação financeira em casa, na escola ou no trabalho?

É preciso acreditar que é possível sair das dívidas. As pessoas desconhecem o tamanho real das dívidas, não sabem exatamente quem são os credores e as taxas cobradas. Como sentar para negociar uma dívida sem saber o tamanho dela? A maioria simplesmente ignora as dívidas e dá as costas para o problema.

Os itens descritos até aqui serviram para explicar que é preciso querer de verdade para sair das dívidas, acreditar que é possível e levantar os números. Vamos adiante.

Analise os motivos do endividamento

Mais importante do que sair das dívidas, é nunca mais entrar.

Adotar um padrão de vida acima do que o salário ou pró – labore permitia

Por que acontece isso? Devido ao crédito fácil como o limite do cartão e cheque especial desproporcional à renda, crédito consignado e outras modalidades de concessão de crédito.

Ao tomar a decisão de quitar as dívidas, diminua o limite de crédito ou até suspenda momentaneamente o uso desses recursos.

Não ter uma reserva de emergência

As pessoas desconhecem a importância da reserva de emergência ou estimam errado a reserva de segurança da família. A perda do emprego, acidentes no trabalho e outros imprevistos são assegurados por essa reserva que deve ser preservada como um patrimônio.

Você já deve ter ouvido alguma história de alguém que pegou parte dessa reserva e emprestou a algum familiar ou um amigo. Essas histórias não costumam ter um final feliz.

Misturar as contas de Pessoa Jurídica com Pessoa Física

No caso de ter um negócio, é fundamental ter contas separadas. Alguém pode perguntar: “Pra que ter contas separadas se o lucro vai e o prejuízo sai do mesmo bolso?” É muito importante esclarecer que se trata de duas entidades distintas com responsabilidades sociais bem definidas. O perigo de compartilhar as contas aparece em ambos os casos. Se o negócio vai muito bem, a Pessoa Física pode ficar tentada a fazer mais retiradas e, se o negócio vai mal, a Pessoa Física quebra junto com o negócio.

Os itens descritos até aqui serviram para explicar que toda dívida tem um origem, a importância da reserva de emergência para equilibrar os momentos de instabilidade e a necessidade da separação das contas de Pessoa Física e Jurídica.

Agora que sabemos os motivos e o valor das dívidas, vamos avançar mais um passo.

O que fazer antes de começar a negociar as dívidas

Responda à seguinte pergunta: “Se a dívida fosse quitada hoje, qual a chance de você entrar novamente?” Se a resposta for: “Entraria fácil novamente”, então ainda não é uma boa hora de negociar. Mas se a resposta for: “Já entendi o que me levou a entrar em dívidas”, pode ir para o próximo passo.

Acredite, mais importante que sair é entender como nunca mais entrar. Utilize o Programa Superendividados, um serviço gratuito oferecido pelo Procon. Este serviço ajuda a negociar as dívidas junto aos credores como bancos, financeiras e operadoras de cartão de crédito, por exemplo. Para mais informações clique AQUI.

Ao negociar as dívidas, crie paralelamente uma renda extra pontual para acelerar a quitação. Use alguma habilidade sua. Faça freelances, doces para revender, ajude um amigo vendedor em troca de uma parte da comissão, faça entregas, leve os pets dos vizinhos para caminhar, venda objetos sem utilidade para você, dê aula particular de reforço escolar, ofereça trabalhos no Workana (plataforma de freelancer), ofereça algum serviço a amigos, enfim, solte a imaginação e exercite a humildade.

Defina, crie um serviço ou a venda de um produto, apenas temporariamente, direcionado para alcançar a meta da quitação das dívidas. E lembre-se que para sair das dívidas o apoio da família e dos amigos é imprescindível. Pense: “quais são as pessoas que te apoiarão nesta jornada? Quem estará torcendo por você, dando aquela força e pronto para comemorar sua vitória?” Posso dar meu testemunho: pessoas que conseguem sair das dívidas se tornam pessoas melhores ao final do processo.

Dicas para mudar o comportamento de pessoas com DNA de endividado

  • Tenha consciência de poupar antes de consumir. Parece óbvio, mas as pessoas que entenderam que se deve poupar primeiro para depois realizar dão depoimentos maravilhosos de como isso muda radicalmente a vida financeira.
  • Independente se você trabalha no regime é CLT ou se é autônomo, analise como você gasta seu dinheiro. As pessoas gastam todo o salário adquirindo Passivos (coisas que geram mais despesas) por desconhecerem os Ativos (coisas que geram renda).
  • Muitas pessoas despertam em sair das dívidas simplesmente quando conhecem os investimentos disponíveis no mercado. E o quanto é possível começar a investir com muito pouco recurso. Incrível como o acesso ao conhecimento dos investimentos é capaz de mudar o comportamento de um endividado.

Se você se interessou por isso também, investimentos será o assunto do próximo artigo. Espero ter ajudado você. Comente o item que mais gostou e compartilhe o artigo com algum amigo endividado. Afinal, atire a primeira pedra quem nunca se endividou.

Colaboração de Teresa Tayra. É empreendedora, fundadora do Estação Conecta (Projetos de Educação Financeira para escolas e empresas), mãe de três filhos e acredita que a educação financeira também nos faz melhorar como pessoa

Leia também

Como pagar a dívida do cartão de crédito

Cartão de Crédito: como usar com sabedoria

Educação Financeira para quem empreende