01
ago

Quais são os passos fundamentais para fazer uma boa contratação e não frustrar nenhum dos dois lados?

(Entrevista/Efetividade)

Quando o cliente chega com a contratação de um funcionário, na maioria das vezes oriento com alguns passos básicos, principalmente quando está no início das atividades. Por isso, acredito que esta sequência de passos seja útil para a contratação ser um ótimo negócio para ambos os lados e sem frustrações. Vamos a eles:

1 – Verificar qual o sindicato que o candidato pertence e, com a Convenção Coletiva em mãos você consegue elaborar o custo do funcionário tais como: piso salarial, vale refeição, vale transporte, seguro por acidente, auxilio creche, atestados, porcentagem de hora extra. Hoje, em nosso pais, existem mais de 11.257 sindicatos registrados no Ministério do Trabalho, então não é uma tarefa fácil saber exatamente qual convenção seguir. Você terá que ter o auxílio do contador;

2 – Em hipótese alguma o funcionário pode trabalhar sem o exame médico feito anteriormente à contratação. Já houve casos de o funcionário não estar apto e já estar na função. O funcionário, neste caso, foi transferido para outra e o empregador teve que fazer uma nova contratação, gerando mais ônus para a empresa;

3 – Faça um relatório das necessidades da empresa e verifique se o candidato, na hora da entrevista, se encaixa com essas necessidades, sem fugir ao que menciona a convenção coletiva;

4 – Solicite cartas de referências, verifique se em sua carteira de trabalho existem muitos registros com média de 01 ano. Essa média não é um dado favorável para o funcionário; é o famoso funcionário que busca apenas o seguro desemprego. Fica um ano trabalhando e depois 5 meses recebendo o seguro desemprego;

5 – Em todos os processos de contratações, você pode testar o candidato. Elabore um questionário para saber os seus conhecimentos. Eu, por exemplo, em minha contabilidade se estou contratando para o setor de departamento pessoal faço um teste de perguntas da área, ou se é para o cargo de cozinheiro, posso testar seus conhecimentos na cozinha por alguns instantes, mas nunca o dia, pois já caracteriza vínculo;

6 – Você já ouviu aquele ditado: “palavras o vento leva”? Pois bem, já ouvi inúmeras vezes e no caso da contratação não é diferente. Por isso no item 3 mencionei um relatório. Ali previamente estará acertado o horário de trabalho, dias da semana, possibilidade ou não de viagens a trabalho, filhos, quantos e quais idades (existem convenções que obrigam a pagar auxilio creche. Uma pessoa que tenha mais de 02 filhos já pesa muito no custo), se esta pessoa pode trabalhar em sábados e feriados, pois há religião que não permite, por esse motivo, o relatório é ótimo para deixar previamente acordado;

7 – Quanto aos tipos de contrato: O contrato com prazo indeterminado é aquele que tem data para começar porém não tem data fim. A empresa pode se beneficiar do prazo de experiência de 45 dias e prorrogar por mais 45 dias, e o contrato com prazo determinado que tem data de início e fim, porém só pode ser feito por 02 anos, não pode exceder a esse prazo, o contrato de estágio (verificar antes a legislação que trata do estágio, pois foge à CLT e não tem sindicato) o requisito básico é estar estudando e o contrato de Menor Aprendiz (verificar antes a legislação);

8– Após tudo isso verificado, você já pode enviar para a contabilidade a contratação do candidato, onde erá elaborada toda a documentação e feitos os procedimentos necessários.

Até o próximo encontro!

Luciana Carvalho é Contadora e Proprietaria da LLC Consultoria 

Você tem dúvidas sobre contratação? Envie um e-mail para comunicacaodocafe@gmail.com ou escreva nos comentários.

*O conteúdo deste artigo é de responsabilidade da autora.

Leia também:

Preciso contratar. E agora?

Hora de selecionar e fazer as entrevistas

A hora é agora. Quem eu vou contratar?

Preciso integrar e acolher o recém-contratado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *